Com consumo em alta, projeto de lei estabelece normas para alimentos integrais

Mesmo atravessando crise econômica, os brasileiros tomaram nos últimos cinco anos uma decisão: levar alimentos mais saudáveis para a mesa. As vendas de produtos orgânicos e integrais vêm crescendo desde então a uma taxa média anual de 12,3 por cento e a previsão do mercado é que a expansão siga na casa dos 4,4 por cento/ano até 2021, o que torna o País um dos gigantes no setor.

Mas o fenômeno é acompanhado por uma dúvida persistente entre os consumidores brasileiros: o que estão levando para casa é realmente saudável? Há verdade, por exemplo, nos rótulos dos produtos integrais?

A deputada federal Flávia Arruda (PR-DF) acredita que não. Ela é autora de Projeto de Lei em tramitação na Câmara Federal (PL 597/19) que estabelece normas mais claras para alimentos integrais – uma ação que protegerá principalmente os consumidores que aderiram aos integrais por recomendação médica.

“Muitos diabéticos, por exemplo, estão provavelmente se perguntando por que não conseguem obter controle adequado de sua glicemia, já que consomem unicamente ‘pão integral’. Talvez não saibam que ali existe quase somente farinha refinada”, apontou a deputada.

Atualmente, a produção de alimentos integrais não é regida por legislação específica. O texto do PL de Flávia Arruda define e dá mais clareza sobre as composições dos produtos, estabelecendo que só seja rotulado como integral alimento que – mesmo alterado para o consumo – mantiver as características e a totalidade dos nutrientes.

O Projeto de Lei reforçará as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que determina lista em ordem decrescente da quantidade de ingredientes, inserindo a farinha integral em primeiro lugar.O PL vai além e determina que produtos fabricados a partir de cereais e farinhas somente poderão receber a denominação “integral” se contiverem pelo menos 50% de matéria-prima integral.

Benefícios dos integrais

Eles são ricos em fibras, vitaminas, minerais e têm valor nutricional elevado em comparação com os alimentos refinados.

Os benefícios são amplos: auxiliam, por exemplo, no processo de emagrecimento, pois aceleram a sensação de saciedade, reduzindo por tabela a ingestão de alimentos.

Também são recomendados na prevenção de doenças, pois as vitaminas – mais enriquecidas na versão integral – impulsionam o sistema imunológico e atuam como antioxidantes, prevenindo doenças graves como Alzheimer e Parkinson.

Acompanhe a Flávia 

Gostou deste conteúdo? Faça um comentário!

avatar
Fechar Menu